Luis de Guindos substitui Vítor Constâncio no Banco Central Europeu

Vincent De Villiers
Fevereiro 21, 2018

Os ministros das Finanças da zona euro, reunidos em Bruxelas, apoiaram, esta segunda-feira, a designação do ministro espanhol para suceder a Vítor Constâncio na vice-presidência do Banco Central Europeu (BCE).

Para que a decisão de ontem seja tornada definitiva, o nome de Luis de Guindos ainda tem de ser ratificado formalmente pelos ministros das Finanças da União Europeia, pelo Parlamento Europeu e pelo Conselho de Governadores do Banco Central Europeu.

Após a falência do Lehman Brothers, o novo vice-presidente do Banco Central Europeu transferiu-se rapidamente para a divisão financeira da PriceaterhouseCoopers e encontrou lugares de topo em empresas como a energética Endesa. A escolha será debatida esta segunda-feira no Eurogrupo e no dia seguinte no Ecofin. Donohe acrescentou que não fica excluída a hipótese de a Irlanda candidatar Lane a outra posição no BCE.

"Há algumas semanas nomeei Philip Lane para a vice-presidência do BCE", começou por dizer o ministro irlandês da Despesa Pública, Paschal Donohoe. Mas mal Luis de Guindos se perfilou como candidato, foi claro que o seu nome reunia maiores apoios políticos junto dos seus pares.

De acordo com o jornal El País, o espanhol De Guindos tem mais apoio entre os países da zona euro. Agora foi a vez de Portugal retribuir o apoio, o que foi assumido publicamente por António Costa.

Time da 3ª divisão elimina Manchester City da Copa da Inglaterra
Os Citzens somaram 82% de posse de bola na primeira etapa e dominaram as ações ofensivas, chutando 15 vezes em direção ao gol. O City continuava a tentar de tudo para passar a barreira defensiva do Wigan mas sem sucesso.

"Ambos os candidatos prestaram uma boa apresentação". Depois, ele deve ser nomeado pelos líderes do bloco na reunião de 22 e 23 de março.

A substituição do português Vítor Constâncio, cujo mandato termina a 31 de Maio, era o ponto da agenda do Eurogrupo que estava a suscitar maior interesse por causa das leituras políticas que poderiam ser feitas a partir dessa escolha.

Nos próximos dois anos, a liderança de uma das mais importantes instituições da zona euro vai estar em destaque com a mudança de seis elementos do conselho executivo, incluindo o presidente. A entrada de um vice-presidente do Sul da Europa abre o caminho à nomeação de um presidente do Norte - o nome de Jens Weidmann, o presidente do Bundesbank, é o mais mencionado na bolsa de apostas.

De resto, voltou a ser abordada a questão do aprofundamento da união monetária e económica, com a discussão a abranger as formas de reforço do mecanismo europeu de estabilidade e também a sequenciação das medidas - em termos de redução de risco e partilha de risco - para a aplicação do chamado roadmap da união bancária, aprovado em 2016.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL