Henrique Meirelles admite possível corrida presidencial contra Michel Temer

Judith Bessette
Fevereiro 25, 2018

"O presidente falou agora pouco comigo e reafirmou que não quer ser, neste momento, candidato", completou.

O anúncio criou um atrito com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que chegou a chamar as medidas de "café velho e frio".

Segundo apurou a reportagem, Temer e Meirelles devem conversar pessoalmente sobre o cenário eleitoral na próxima semana, quando o ministro pretende externar diretamente sua vontade de ser o candidato do governo este ano.

O ministro é filiado do PSD.

Um novo nome começa a surgir entre os tantos pré-candidatos já anunciados [VIDEO] para a disputa da Presidência do Brasil nas eleições de 2018. Dirigentes do MDB afirmam que a migração de Meirelles para a sigla é considerada, mas nada está fechado.

Meirelles tem dito ainda que não aceitará ser vice.

Corinthians deve anunciar troca de volante por Sidcley com Atlético-PR
A cessão será no mesmo molde, com o meio-campista assinando contrato de empréstimo válido até o fim do ano. O volante trabalhou com o técnico Fernando Diniz segue para o clube paranaense nas próximas horas.

"Ainda não parei para tomar a decisão".

No entanto, para concorrer, ele deixou claro que ainda analisa algumas questões. Não acho razoável um ministro de Estado já em campanha”, argumentou Meirelles.

Na entrevista, Meirelles disse ainda que tem uma carreira "inquestionável" ao responder uma pergunta sobre como sua passagem pelo Banco Central no governo Lula e pelo conselho da J&F repercutiria em uma possível eleição presidencial. Questionado se aceitaria continuar no comando da economia se for indicado para o mesmo cargo pelo próximo governante, em 2019, Meirelles foi mais enfático sobre seus planos eleitorais.

O núcleo político do governo defende a candidatura de Temer, ancorada pelo mote da intervenção na segurança do Rio, mas avalia que o “lançamento” prematuro do seu nome, por parte do marqueteiro Elsinho Mouco, não só causou desgaste como pode ter dado a impressão de que a medida foi eleitoreira. "Agora, se o Rio demandar mais tempo de intervenção, a reforma da Previdência vai ser feita no próximo governo", explicou.

Meirelles aumentou a sua participação em entrevistas para jornais e rádios, nos últimos dias, não confirmando a candidatura oficial este ano, diante dos problemas econômicos que ainda precisa se concentrar durante a gestão Temer, mas trazendo os sinais claros de sua intenção. Para ele, a viabilidade de sua candidatura está atrelada ao crescimento, à recuperação do emprego e a um estado de “bem-estar social”.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL