Síria: Negociações na ONU sobre cessar-fogo humanitário continuam

Patrice Gainsbourg
Fevereiro 25, 2018

Apesar de ser isolada e bombardeada há anos, desde o último domingo Guta Oriental é alvo de uma nova campanha aérea lançada pelo regime de Assad e seu aliado, a Rússia. Em cima do encontro derradeiro, percebia-se a incerteza nas palavras de responsáveis das Nações Unidas sobre a posição de mais uma reunião do Conselho de Segurança.

Guta Oriental é um antigo destino de viagens de final de semana para os moradores da capital síria, Damasco, e atualmente um dos últimos redutos de rebeldes que lutam contra o regime do ditador Bashar Al-Assad.

Esta trégua foi pedida a 6 de fevereiro pelas organizações da ONU que estão no terreno, nomeadamente para fornecer ajuda às cerca de 400 mil pessoas que vivem em Ghouta Oriental.

Netflix divulga estreia de "Aniquilação"
A trama acompanha um grupo de cientistas enviados à Área X, uma região cheia de anomalias alienígenas que ninguém compreende bem. Com exceção dos EUA, Canadá e da China, o longa deve ser lançado diretamente para o streaming pelo resto do mundo.

Ao longo de sexta-feira, a votação foi adiada sucessivas vezes de modo a permitir a continuação das negociações. A votação por unanimidade foi conseguida cerca de duas horas e meia depois de os representantes na ONU se terem voltado a sentar à mesa para discutir a situação na Síria. Antes da votação, o embaixador da Suécia na ONU, Olof Skoog, disse ao conselho que os comboios da ONU e equipes de resgate estavam prontos.

Isto, depois de acordado um cessar-fogo, a vigorar durante um mês, no Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Desde a primeira hora do dia, Ghouta Oriental foi alvo de ataques aéreos e de helicópteros militares que lançaram explosivos, além dos disparos de artilharia e de mísseis de tipo terra-terra, por isso foram causados grandes danos materiais na área, afirmou o Observatório. "Esperamos que esta resolução seja um momento de viragem em que a Rússia se junte a nós na tentativa de alcançar a estabilidade política neste conflito", referiu a representante norte-americana.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL