Produção da indústria cai em janeiro após 4 meses de crescimento

Patrice Gainsbourg
Março 9, 2018

Novamente televisores e computadores puxaram o crescimento desse segmento industrial.

No acumulado dos últimos doze meses, ao avançar 2,8% em janeiro de 2018, a produção industrial marcou o resultado positivo mais elevado desde junho de 2011 (3,6%) e prosseguiu com a trajetória ascendente iniciada em junho de 2016 (-9,7%).

A produção industrial brasileira recuou 2,4% em janeiro de 2018 em relação a dezembro de 2017. Esta foi a maior queda da indústria em quase dois anos, desde fevereiro de 2016, na comparação mensal, quando recuou 2,5%.

Já na comparação com janeiro do ano passado, a indústria brasileira registrou crescimento de 5,7%. Com esses resultados, o setor industrial ainda encontra-se 15,8% abaixo do nível recorde alcançado em junho de 2013.

Noiva do príncipe Harry é batizada em cerimônia secreta
No local, Meghan recebeu presentes durante a celebração, conhecida como chá de cozinha, que teve temática no melhor estilo spa. As últimas novidades sobre o assunto dão conta de uma festa pré-casamento que aconteceu neste fim-de-semana que passou.

Segundo o IBGE, a principal influência negativa foi da produção de veículos automotores, que caiu 7,6% na passagem de dezembro para janeiro. O tombo reverte a maior parte do avanço de 9,1% registrado no mês anterior. Setores de bebidas e equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos, no primeiro local; de indústrias extrativas, no segundo; e de metalurgia, produtos alimentícios, produtos têxteis, produtos de metal e confecção de artigos de vestuário e acessórios, impulsionaram o resultado.

A fabricação de bens de consumo semi e não duráveis de dezembro ante novembro saiu de 3,0% para 3,6%. Ceará (-2,2%), Rio de Janeiro (-2,1%), Região Nordeste (-1,1%), Espírito Santo (-0,9%) e Santa Catarina (-0,1%) foram os outros locais com índices negativos em janeiro.

Já na comparação com o mesmo mês do ano passado, os resultados positivos foram puxados por altas registradas em 20 dos 26 ramos pesquisados.

Segundo o IBGE, a queda teve um perfil generalizado, porque além de abranger essas três categorias econômicas, também se espalhou por 19 dos 24 ramos da indústria. 60% dos 805 produtos pesquisados ficaram no azul, com destaque para os veículos automotores (27,4%).

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL