STF aceita denúncia e Romero Jucá vira réu na Lava Jato

Patrice Gainsbourg
Março 14, 2018

O líder do governo no Senado, Romero Jucá (MDB-RR), afirmou que provará sua inocência na denúncia recebida nesta terça-feira (13) pela Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal, tornando-o réu.

Jucá responde a outros 12 inquéritos no STF, pelos mais diversos motivos, entre eles, há investigações iniciadas nas operações Lava-Jato e Zelotes e também por desvios de recursos da usina de Belo Monte, tendo a Procuradoria-Geral da República apresentado denúncia em três, que ainda não foram julgadas pela corte. Para Jucá, apesar da condição agora de réu, não há motivo para ele deixar seu posto de líder do governo no Senado.

Em acordo de colaboração premiada, Melo Filho relatou que o pagamento ocorreu por um pedido do atual presidente do MDB, já que, de acordo com o ex-executivo da empresa, a Odebrecht não tinha interesses na atuação de Rodrigo Jucá em Roraima.De acordo com o ministro Marco Aurélio, "foram colhidos indícios suficientes".

Doação da Odebrecht à campanha do filho de Romero Jucá a vice-governador de Roraima foi propina disfarçada de doação eleitoral, acusa PGR.

Animação terá participação de Mulher-Maravilha, Superman e Lanterna Verde
Mas quando tudo dá errado por causa de um super vilão com um plano louco para dominar a Terra, as coisas realmente desandam. Com algumas ideias loucas e uma música no coração, os Jovens Titãs partem para Tinsel Town, para realizarem seus sonhos.

Segundo a acusação, a Odebrecht doou R$ 150 mil ao diretório do PMDB de Roraima. "Na verdade, o excesso nesse caso foi cometido pelo Rodrigo Janot, que fez uma denúncia inepta e irresponsável", minimizou Jucá.

A MP 651, conhecida como "pacote de bondades", incluía um programa de parcelamento de dívidas com o Fisco, e a MP 656 reduziu a zero alíquotas de contribuição do PIS e da Cofins. Ele negou que haja criminalização da política e disse que nem todas as doações de empresas eram feitas em troca de algo.

A defesa do senador, feita pelo advogado Antônio Carlos de Almeida Castro (Kakay), criticou a decisão da 1ª Turma. "Eu não tenho nenhum comentário a fazer sobre a postura de qualquer ministro, acho que eles estão se resguardando e dando andamento técnico aos procedimentos e na instrução do processo nos vamos provar qual é a verdade", disse. Não há nenhum link entre a doação e o trabalho parlamentar.

Ao final da sessão, o advogado de Jucá afirmou em nota que o senador "agiu na absoluta competência que lhe dá o cargo ao defender emendas, de maneira clara e transparente, dentro de sua atribuição".

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL