Crítico de Putin, exilado russo é encontrado morto em Londres

Patrice Gainsbourg
Março 17, 2018

Nikolai Glushkov, cidadão russo exilado no Reino Unido e associado próximo do oligarca Boris Berezovski, um inimigo jurado de Vladimir Putin que se suicidou em 2013, foi encontrado morto na sua casa em Londres, noticia o The Guardian, que cita amigos do empresário.

A causa da morte foi "compressão do pescoço".

Glushkov trabalhava em uma das empresas de Berezovsky nos anos 1990.

A morte acontece em plena escalada diplomática entre Londres e Moscou em razão da tentativa de assassinato de Skripal na cidade inglesa de Salisbury, um ataque atribuído por Londres à Rússia.

Bebeto de Freitas morre em Belo Horizonte
Nas redes sociais a morte de Bebeto repercutiu entre os internautas, visto a importância dele para o esporte nacional. Entre os jogadores do elenco do Atlético-MG, o goleiro Victor esteve presente no velório na sede do Galo .

Durante a semana, a premiê britânica Theresa May anunciou que a expulsão de 23 diplomatas russos do Reino Unido, como retaliação pelo uso de uma neurotoxina no atentado contra Skripal.

As causas da morte de Nikolai Glushkov, que residia no Reino Unido há vários anos com estatuto de asilo político, ainda não são conhecidas.

Entre estes 14 casos, estão o de Berezovski, o do georgiano Badri Patarkatsishvili, que a Rússia acusou de ter organizado a fuga Glushkov - condenado a 8 anos de prisão por peculato quando era diretor da Aeroflot - de uma de suas prisões. Ele foi encotrado morto na noite de segunda-feira em sua casa, em New Malden, subúrbio de Londres, e a polícia antiterrorismo assumiu imediatamente a investigação "por precaução". A filha dele, Natalia, disse que o corpo do exilado tinha sinais de estrangulamento.

"A investigação será realizada segundo as exigências da legislação russa e as normas do direito internacional e nela participarão especialistas altamente qualificados", informou a porta-voz do Comitê de Instrução da Rússia, Svetlana Petrenko.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL