Morreu Sudan, o último rinoceronte-branco macho

Patrice Gainsbourg
Março 21, 2018

Sudan, o último rinoceronte-branco-do-norte macho do mundo, morreu no último dia 19, aos 45 anos de idade. Por isso, a reserva natural decidiu abatê-lo para poupá-lo de mais dor e sofrimento.

"O seu estado de saúde piorou significativamente nas últimas 24 horas; estava impedido de se levantar e estava a sofrer bastante", informou a reserva natural Ol Pejeta, citada pela Reuters.

Com a morte de Sudan, restam apenas duas fêmeas de rinoceronte-branco do norte no mundo inteiro.

O rinoceronte "estava sendo tratado por complicações relacionadas à idade que levaram a alterações degenerativas nos músculos e ossos combinados com feridas extensas na pele", de acordo com uma declaração da Ol Pejeta Conservancy, onde ele morava sob guarda armada para evitar a caça furtiva. Nos seus últimos meses de vida, vinha lutando contra uma infecção na pata esquerda.

Esta é uma notícia triste para todas aquelas pessoas preocupadas com a vida e com o meio ambiente.

Trump defende execução de traficantes de drogas
Trump ainda afirmou que a construção do muro entre a fronteira do México e dos Estados Unidos é um modo de evitar a entrada de traficantes de drogas.

Todas as cinco espécies de rinoceronte - Branco, Preto, Indiano, de Sumatra e de Java - estão consideradas como em vias de extinção.

Outra tentativa de preservar alguns dos genes da subespécie cruzando as duas fêmeas, Najin e Fatu, com machos da subespécie do sul também falharam.

"Era um grande embaixador da sua espécie e será recordado pelo trabalho que fez para suscitar uma consciência global para a situação não só dos rinocerontes mas também de muitos milhares de outras espécies sob ameaça de extinção como resultado de uma atividade humana insustentável", disse o responsável da organização, Richard Vigne. Entretanto, como esse procedimento é muito caro, custando cerca de 9 milhões de dólares, foi feita uma campanha na rede social Tinder para angariar recursos dos usuários.

A organização OI Pejeta Conservacy, no Quénia, anunciou em comunicado que o animal, último macho da espécie, foi sujeito a eutanásia na segunda-feira.

Foi também recolhido material genético de Sudan, que poderá ser utilizado para a conservação desta espécie através de tecnologias celulares avançadas. Para que isso aconteça será necessário, para além dos óvulos de Najin e do sémen de Sudan, uma fêmea de rinoceronte-branco-do-sul que sirva de barriga de aluguer. O caso queniano é sintomático: em 1970 havia 20 mil rinocerontes, actualmente são apenas 650, quase todos rinocerontes-negros.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL