May pode autorizar participação britânica em ataques na Síria

Patrice Gainsbourg
Abril 15, 2018

França O presidente francês, Emmanuel Macron, afirmou nesta quinta-feira que há provas de que o regime sírio de Bashar al-Assad usou armas químicas no ataque de sábado à cidade de Douma, mantida por rebeldes.

"Devido à possibilidade de ataques aéreos na Síria com mísseis ar-terra ou de cruzeiro, nas próximas 72 horas, e a possibilidade de interferências intermitentes no equipamento de navegação rádio, estas questões devem ser tidas em consideração ao planear operações de voo no leste do Mediterrâneo/ FIR (Região de Informação de Voo) de Nicosia", pode ler-se no alerta divulgado pelo Eurocontrol.

No começo do dia, o líder do Partido Trabalhista do Reino Unido, Jeremy Corbyn, exigiu uma votação parlamentar para sinalizar um potencial ataque militar contra a Síria, informou a emissora Sky News. "Há todos os motivos para acreditar que o objetivo do ataque foi obstruir o trabalho dos inspetores".

Este ataque surge na sequência de um ataque com armas químicas alegadamente perpetrado pelo regime sírio.

FÓRMULA 1 - Resultados dos Treinos Livres - GP da China
E o britânico tenta ampliar esse retrospecto neste fim de semana e se recuperar dos problemas enfrentados nas etapas anteriores. O segundo treino livre do GP da China terminou com uma chuva leve, em um dia frio, nublado e com vento em Xangai.

A Sociedade Médica Síria Americana (SAMS, por sua sigla em inglês) e a Defesa Civil da Síria; ambas organizações apoiadas pelos EUA, asseguraram que pelo menos 42 pessoas morreram no sábado com sintomas de ter sofrido um ataque com substâncias tóxicas.

O presidente russo, Vladimir Putin, condenou veementemente o ataque que descreveu como uma agressão dos EUA e seus aliados contra "um Estado soberano que está na vanguarda da luta contra o terrorismo".

Essa decisão está sendo consultada com a França e o Reino Unido; que também insistiram na terça-feira, no Conselho de Segurança convocado de urgência por este caso, na necessidade de atuar; uma vez que a Rússia não permite ações respaldadas por esse organismo da ONU. Já foi confirmado que a reunião irá ocorrer esta tarde.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL