É o adeus ao realizador Milos Forman

Rebecca Barbier
Abril 15, 2018

O cineasta tcheco, Milos Forman, morreu nesta sexta-feira (13) aos 86 anos nos Estados Unidos.

O musical 'Hair' (1979), 'Amadeus' (segundo Óscar para Melhor Realizador), 'Valmont' (1989), com o qual venceu o segundo Óscar de Melhor Realizador, 'Larry Flynt' (1996) e a biografia 'O Homem na Lua' (1999) são outros dos filmes de Milos Forman. Seu último filme foi Sombras de Goya, lançado de maneira modesta em poucos cinemas ao redor do mundo no ano de 2006.

A invasão de Praga pelas tropas soviéticas, levou a que Forman se refugiasse em Paris e depois nos Estados Unidos, acabando, por adquirir a cidadania norte-americana na década de 70.

Trump promete decisões importantes sobre a Síria em 24/48 horas
Trump condenou o que classificou como um "odioso ataque a inocentes" sírios em Duma, no início de sua reunião de gabinete na Casa Branca.

Nunca perdeu, contudo, o sentido de humor boémio e a capacidade de olhar para o mundo com um sorriso mais ou menos escarninho. Na Checoslováquia, onde assinou as três primeiras longas, fez parte de uma geração iconoclasta que incluía Vera Chytilová ou Jirí Menzel; O Ás de Espadas, Os Amores de Uma Loira e O Baile dos Bombeiros eram filmes "às avessas" do conformismo imposto pelos regimes socialistas do Leste da Europa, e que aliás não foram bem vistos pelas autoridades.

Além de cineasta, Milos Forman foi professor, ator e realizador.

O filme arrebatou cinco Oscars: Melhor Filme, Diretor, Ator, Atriz e Roteiro. Foi preciso Amadeus para o consagrar definitivamente - e, mesmo depois desse sucesso, o cineasta preferiu seguir a sua musa a estar onde esperavam que ele estivesse.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL