Chris Brown é processado por auxiliar estupro de mulher durante festa

Rebecca Barbier
Mai 11, 2018

"Esse é um dos casos de violência sexual mais horríveis que já vi", disse a advogada Gloria Allred, conhecida por defender casos como esse há décadas.

De acordo com a advogada, a mulher está severamente traumatizada.

A mulher, que teve a identidade protegida e foi identificada como Jane Doe, diz que foi com uma amiga a um show de Chris Brown em West Hollywood no dia 23 de fevereiro de 2017.

Na ação, à qual a AFP teve acesso, a mulher afirma ter sido agredida pelo também rapper e amigo de Brown, Lowell Grissom (Young Lo), que a estuprou em duas oportunidades, e por uma mulher, que estava menstruada, e a forçou a fazer sexo oral nela. Elas conheceram o cantor e Grissom em uma festa em um estúdio de gravação, onde tiveram os celulares tirados.

A vítima se recusou a tirar a roupa e deixou claro que não queria participar. Lá, álcool e drogas ilícitas como cocaína, ecstasy e maconha foram distribuídos.

Costa, Marcelo e Santos Silva satisfeitos com fim de "irritante" com Angola
A boa administração da justiça não se identifica necessariamente com a condenação e o cumprimento da pena, recordam os magistrados.

Em um momento da noite, Doe acabou em um quarto, onde Brown ordenou que Grissom bloqueasse a porta com um sofá. Outras mulheres mantinham relações sexuais com os dois cantores no local.

Nos documentos alegam que outra mulher agarrou a vítima pela pescoço e forçou-a a fazer sexo oral, enquanto que era violada ao mesmo tempo. Mesmo assim, foi forçada a fazer sexo oral em Grissom e na amiga dos músicos dentro do quarto.

Grissom a estuprou duas vezes: a primeira em um quarto onde foi tomar banho, e depois enquanto esperava um táxi, quando finalmente teve seu celular de volta.

"A ação alega que, enquanto ela estava na casa de Brown, a autora se tornou vítima de um ataque sexual horrível, descrito em nosso processo", continuou Gloria em sua entrevista coletiva.

A mulher relatou a agressão à Polícia, que informou à AFP que "nenhuma investigação está aberta" contra Brown, que, por sua vez, ainda não respondeu às ligações da agência.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL