Gilmar Mendes manda soltar Paulo Preto, ex-diretor da Dersa em SP

Judith Bessette
Mai 12, 2018

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes concedeu habeas corpus a Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, apontado pela Lava Jato como operador do PSDB.

Em fevereiro deste ano, autoridades suíças encontraram R$ 113 milhões em quatro contas no país europeu em nome do ex-diretor da Dersa.

Em 20 de abril, Gilmar tinha negado outro pedido de liberdade."Defiro a medida liminar para suspender a eficácia do decreto de prisão preventiva de Paulo Vieira de Souza, o qual deverá ser posto em liberdade, se por outro motivo não estiver preso", decidiu Gilmar.

Jovem Aprendiz de Camboriú e CIEE divulgam novas vagas de estágio
A seleção leva em conta renda familiar , aprovação escolar , série atual e participação em projetos sociais. Os estudantes que tiverem interesse poderão se inscrever no site www.correios.com.br até o dia 29 de maio.

As contas abertas em 2007 estavam em nome da offshore panamenha Groupe Nantes S/A. O beneficiário é Paulo, segundo a procuradoria. Ex-diretor da Dersa, estatal paulista responsável pelas rodovias, Paulo Preto foi preso em 6 de abril pela 5ª Vara Criminal Federal em São Paulo, a mesma que aceitou denúncia contra ele pelo desvio de R$ 7,7 milhões, entre 2009 e 2011, durante o governo de José Serra (PSDB). Ele é acusado de ser o operador de Serra em desvios de recursos do Rodoanel em São Paulo. Em 2017, o montante foi transferido para as Bahamas, segundo documentos da Promotoria suíça enviados ao MP brasileiro.

Um dia antes de soltar Paulo Preto, Gilmar Mendes deu entrevista à agência Bloomberg, alinhada ao mercado financeiro internacional, em que disse que a inelegibilidade de Lula é uma questão "aritmética". Contra essa decisão foi apresentado novo habeas corpus (íntegra) ao STF. Na decisão, o ministro explica que a prisão preventiva do ex-diretor da Dersa foi decretada a pedido do Ministério Público Federal, em função de "supostas de três supostas ameaças à integridade física da também acusada Mércia Ferreira Gomes", que é ex-funcionária terceirizada da Dersa. "Além da comprovação do ocorrido não ser sólida, não há indício da autoria das ameaças por parte do paciente [Paulo Preto]", escreveu o ministro. "Para nós, esse assunto está encerrado", declarou.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL