Marca britânica Lush sai do Brasil pela segunda vez

Oceane Deschanel
Mai 16, 2018

A marca britânica de cosméticos naturais Lush, conhecida pelos produtos coloridos e pelas lojas de cheiro marcante, anunciou na tarde desta segunda-feira (14) que deixará o Brasil. Em comunicado oficial, a empresa disse que mesmo com o crescente aumento das vendas, a alta carga tributária, alidada a recessão econômica e instabilidade política tornaram a operação impossível.

No comunicado, a marca diz que o Brasil é um mercado muito difícil para a operação de uma companhia britânica.

Atualmente, a Lush opera em 49 países, com 932 lojas físicas e 38 lojas virtuais. Em 2007, a empresa já tinha encerrado atividades no país, mas voltou ao mercado em 2014. Ela milita pelo fim dos testes de cosméticos e produtos de beleza em animais e tem preferência por ingredientes frescos, como frutas e vegetais orgânicos, na fabricação dos seus produtos.

Esta não é a primeira vez que a Lush deixa o Brasil.

Através de um post, a marca afirmou que todos os produtos serão vendidos com 50% de desconto (exceto Charity Pot e acessórios) até o término do estoque.

Nova loteria da Caixa 'Dia de Sorte' terá primeiro sorteio neste sábado
A Caixa ainda não divulgou a data do primeiro sorteio. "Esta será a nossa loteria com mais facilidade para as pessoas ganharem". Assim aumentam as chances de ganhar, assim como valor da aposta, cujo preço mínimo é de R$ 2.

A linha de produtos Charity Pot, inclusive, chegou a arrecadar R$ 280 mil no país nesses últimos quatro anos. "Seguiremos comprometidos em manter nossa contribuição com o debate local sobre testes em animais e continuaremos obtendo muitos de nossos ingredientes - desde o cumaru até o mel orgânico obtido com base no comércio justo - diretamente das comunidades locais brasileiras".

Leia também: Quero empreender: devo abrir negócio próprio ou investir em franquia?

Sandra, porém, relutou e afirma que a empresa começou a boicotá-la reduzindo prazos de financiamento, exigindo compra de matéria-prima à vista e atrasando entregas de modo que a operação se tornou inviável e a empresária teve que fechar as portas em 2005.

A marca tem cinco lojas, um e-commerce e 129 funcionários no país.

Outros relatórios LazerEsportes

Discuta este artigo

SIGA O NOSSO JORNAL